1 ano de Vá Mais Longe e as 33 lições aprendidas

1 ano atrás, o Vá Mais Longe nascia.

E esse texto é pra comemorar esse 1 ano de Vá Mais Longe, te contar como tudo foi feito e conduzido, os erros, os acertos e as lições obtidas nesse tempo.

1 ano parece pouco quando olho pra trás e vejo tudo que aconteceu e tudo que foi feito.

É bizarro!

Nesse texto, quero abrir o cofre pra você, te mostrar tudo que aprendi com o Vá Mais Longe em um ano e como você pode usar isso pra sua vida e seus negócios.

Vou te contar exatamente tudo que eu fiz e as lições que aprendi em ordem cronológica, já que todo mês teve alguma coisa nova, praticamente.

Como começou?

Como começou?

O Vá Mais Longe começou como uma ideia simples que eu e o Chico Montenegro do Olhe Fora da Caixa tivemos, que era criar um projeto secundário pra alavancar nossos projetos principais.

Nós estávamos conversando por um tempo pela internet sobre algumas coisas que poderiam ser feitas pra evoluir nossos negócios e quando fui pra São Paulo para o evento do Fórmula de Lançamento em 2014, nos encontramos pra almoçar a ideia inicial era um congresso online que pudesse levantar uma grande base de lista de e-mails.

A “pegada” do congresso seria a mesma que nós seguimos em nosso trabalho: desenvolvimento pessoal e empreendedorismo para ajudar as pessoas que querem se destravar e conseguir atingir os objetivos.

Naquele almoço, definimos o que seria feito.

Saímos de lá com esse objetivo de criar um projeto que serviria pra alavancar nosso nome e nossos projetos.

(Mais sobre como isso deu “errado” mais pra frente nesse artigo)

Setamos os objetivos de datas pra começar os preparativos. A gente ia usar o meu conhecimento em congressos online pra criar alguma coisa diferente, que não fosse só mais um congresso.

Daí veio o nome “Vá Mais Longe”…

Se era pra ser um projeto que mostrasse as possibilidades que as pessoas tem, esse seria um bom nome. (Escolher nome pra um projeto é uma das coisas mais delicadas que tem, mas acertamos em cheio nesse nome)

Esse período foi de mais ou menos 1 mês. De janeiro a fevereiro.

Lições aprendidas:

1ª lição: Acreditar que o que a gente faz é útil e realmente pode ajudar as pessoas. Sem essa confiança (apesar do medo de agir), eu ainda estaria no meu emprego e ele ainda estaria trabalhando na agência.

2ª lição: Tomar alguma atitude o quanto antes e não esperar “passar o Natal”. Nossa reunião em São Paulo foi em dezembro, quando todo mundo já tá cansado e se preparando pro ano seguinte. Se a gente esperasse Janeiro começar, nada seria feito.

3ª lição: O Vá Mais Longe jamais teria existido se eu e o Chico não tivéssemos nos conhecido. E isso só aconteceu porque a gente tem uma mentalidade voltada para o crescimento.

Teoricamente nós somos concorrentes, mas isso não impediu que quando ele precisasse de ajuda, eu ajudasse. E vice-versa.

Quando você acaba com a mentalidade de que o sucesso do outro é o seu fracasso e o seu sucesso depende do fracasso do outro, todo mundo cresce junto.

Além disso, a gente estava disposto a trabalhar e se dedicar pra pensar em alguma coisa que realmente criasse algum valor. Não queríamos nada meia-boca. E a melhor forma de fazer isso era dar o foco na transformação que as pessoas poderiam ter.

A 4ª lição é essa, de que quando você foca no que as pessoas querem e precisam, dificilmente você vai errar.

A saga do Evento VML

A saga do evento VML

Depois que a gente definiu o nome e o que seria o evento, era hora de começar a trabalhar na estrutura.

Como eu já tinha feito um congresso online, estava trabalhando em outro com o Victor (Congresso De Afiliados) e estudei muito sobre o assunto, eu ia cuidar da estrutura e da estratégia, enquanto o Chico cuidaria da parte operacional (páginas, site, design e etc…).

[su_box title=”O que é um Congresso Online?” box_color=”#00ab14″ radius=”2″]Funciona igual a um congresso normal, só que as apresentações são transmitidas pela internet, o que permite que qualquer pessoa de qualquer lugar do mundo possa assistir. A maioria deles é gratuito para quem assistir no horário de transmissão original de cada apresentação e quem quiser ter aceso a todas as gravações precisa adquirir um pacote.[/su_box]

Nós dois juntos faríamos a organização de conteúdo e cuidado com os palestrantes.

A primeira decisão EXTREMAMENTE acertada foi não usar o termo congresso. Sabe por quê?

Quando você ouve a palavra “congresso”, do que você lembra? Escola, faculdade, eventos profissionais chatos e que te dão sono. Essa palavra era formal demais para o que a gente queria fazer.

Por isso escolhemos o nome “Evento #VML“.

Depois que já sabíamos o que ia ser o evento, estava na hora de fazer a lista de palestrantes. Cada nome pensado e listado tinha um motivo: ele poderia ajudar outras pessoas com o que faz.

Listamos mais de 100 pessoas!

Não existia limite pra quem entraria na lista ou não. Mesmo que parecesse impossível conseguir alguém, a gente listava. E enquanto a lista ia crescendo, a gente fazia a estrutura técnica.

Um evento online como o nosso, que teve 15 mil pessoas participando, exige um site que possa aguentar o grande volume de pessoas acessando, tínhamos que criar materiais de divulgação e também preparar os e-mails e vídeos pra quem se inscrevia pra participar.

Optamos pela segurança, então usamos o que tem de melhor no mercado pra isso tudo: Vídeos gravados com alta qualidade, site hospedado na Amazon e etc.

Nesse meio tempo, já fomos recebendo o SIM de muitos parceiros para palestrar.

Foram 60 apresentações no total, vários hangouts (palestras ao vivo) e muito trabalho. Fazer um congresso não é só convidar o palestrante e receber a palestra.

A gente tem que engajar as pessoas que se inscrevem, entender o que eles precisam e como podemos ajudar, editar os vídeos das palestras, preparar as palestras ao vivo, pensar nos modelos de monetização e etc…

Em eventos como esse é comum que muitos palestrantes atrasem a entrega da apresentação, então era um trabalho a mais ficar sempre disponível pra ajudar eles nesse processo e também pra lembrar da data da entrega.

Correu tudo bem nesse sentido e os problemas foram mínimos.

Uma outra coisa muito acertada no Evento #VML foi a criação do Grupo #VML no Facebook. Esse é um grupo aberto onde nós começamos a reunir e dar rosto a todas as pessoas que acompanham o Vá Mais Longe.

O grupo serve pra ajudar as pessoas que querem atingir os objetivos e também a aprender e crescer. E só entra quem é gente boa! 😛

Depois da criação do grupo, nós decidimos transformar o Evento em um MOVIMENTO. E foi ai que a coisa começou a crescer mais ainda!

Nós engajamos todo mundo em torno de uma coisa só: Crescer!

A beleza de um movimento é que ele engaja e envolve muito mais, porque as pessoas se conectam e sentem que fazem parte de alguma coisa.

Nós também definimos o tipo de agradecimento/depoimento que queríamos receber de quem assistisse o evento. Foram 3 tipos:

Depoimentos que queremos ver

E olha o que aconteceu com esses 47 depoimentos:

Pra monetizar o evento, nós escolhemos o modelo simples de congressos online. Como nesses congressos as apresentações são gratuitas no momento da transmissão, a monetização é feita pela venda de pacotes de acesso aos replays.

Foi o que fizemos!

Tivemos, no final do evento, um faturamento de quase R$100.000.

O evento foi um sucesso em todos os aspectos, não só o financeiro, mas também em retorno para nossos nomes e projetos. Isso sem falar no quanto aprendemos.

E sabe quantas pessoas fizeram esse projeto acontecer? Duas. Eu e o Chico.

Uma outra coisa muito boa foi decidir apoiar algum outro movimento, no caso o Estrelas do Mar, da Dra. Clarice Abreu. Eu conheci o trabalho dela no evento ao vivo da Paula Abreu, o Lifestyle Academy, e foi incrível ver como ela ajuda as crianças com o que faz.

Particularmente, não sou muito emotivo pra essas coisas, mas eu realmente confio e acredito no que ela faz por lá, então decidimos doar uma parte dos lucros para ajudar no projeto.

Resumindo, foram 15 mil pessoas acompanhando as 60 apresentações e os 6 hangouts ao vivo. Esse período coincidiu com o de preparação e criação do VML, então foi de janeiro até abril.

Lições aprendidas:

5ª lição: Subestimar o quanto fazer um evento desse porte acontecer é cansativo. Não é reclamação, mas mesmo depois de ter feito um outro congresso em 2014 e ter acabado de fazer o Congresso De Afiliados, eu cheguei no final do Evento #VML exausto. Muito cansado mesmo.

6ª lição: A chave pra criar um negócio é se importar e focar no RESULTADO das pessoas. Nós fizemos isso com os depoimentos pré-definidos e isso guiou todo o trabalho.

7ª lição: Um grupo no Facebook ou qualquer outro grupo desse tipo dá MUITO trabalho, porque você tem que tomar cuidado pra não virar só mais um grupinho por aí ou um grupo que as pessoas entram pra fazer spam e postar coisas idiotas.

Mas se você cuidar do grupo, engajar as pessoas e criar coisas legais, esse grupo pode virar um grande ativo. Isso vale pra qualquer tipo de grupo.

8ª lição: Gerenciar pessoas é muito difícil, e nesse caso foram 60!!! As variáveis são enormes e o evento tem um prazo a cumprir, então eu tinha que ser firme na hora de cobrar uma palestra atrasada ou alguma coisa do tipo. Ao mesmo tempo, é importante estar presente pra ajudar cada um dos palestrantes e facilitar a vida deles.

9ª lição: Um evento como esse não é feito pra monetizar alto. Apesar de eu ter feito quase R$100.000, isso não é regra. Esses eventos tem que focar na transformação das pessoas e em gerar uma onda de pessoas que acreditam em você e no seu trabalho. O retorno financeiro é consequência.

10ª lição: Você não precisa de uma super equipe e um investimento gigantesco pra tocar um projeto como esse (na verdade, nenhum negócio online precisa). Era eu e o Chico fazendo tudo e mais um pouco e sabe quanto nós investimos? Menos de R$5.000!

11ª lição: Por causa dessa carga imensa de trabalho, nós acabamos deixando os nossos projetos (Não Tenho Ideia e Olhe Fora da Caixa) em segundo plano por bastaaante tempo. E nesse período eles funcionaram como apoio pra tudo que era feito no Vá Mais Longe. E a gente não esperava isso.

Fica a lição pra focar e planejar o que pode acontecer.

12ª lição: Foi ótimo poder ajudar o Estrelas do Mar, e daqui pra frente a minha filosofia é essa: retribuir o que eu recebo, fazendo esse tipo de coisa e poder impactar de formas diferentes mais e mais pessoas.

Muita coisa já aconteceu, né!? E isso tudo só até abril…

Depois do evento VML…

Depois do Evento VML

Depois que o evento acabou, os alunos já estavam acomodados com o conteúdo e tudo que eles precisavam, foi importante demais comemorar e tirar um tempinho pra descansar.

Eu fiz uma viagem com a Isis pro Chile e isso foi bom pra limpar um pouco a cabeça, mas sempre pensando no que mais a gente poderia fazer.

O Grupo do Facebook continuava em um ritmo forte, como sempre. E aí nós nos tocamos de uma coisa que NUNCA esteve nos planos: O Vá Mais Longe se tornou uma coisa maior que eu, o Chico, o Não Tenho Ideia e o Olhe Fora da Caixa.

Sem querer, a gente passou a se dedicar muito mais e a quase que só pensar no Vá Mais Longe como a principal coisa das nossas vidas, deixando em segundo plano os outros projetos, que inicialmente seriam alavancados com o Vá Mais Longe.

Após o Evento, nós criamos uma lista de e-mails muito grande e muito boa. Nesse caso, optamos por retribuir o que nossos palestrantes e parceiros fizeram por nós e começamos a trabalhar como afiliados dos projetos deles.

Caso você não saiba, ser um afiliado é vender um produto ou serviço de outra pessoa e ganhar uma comissão por isso. Ou seja, nós podemos entregar valor para nossa audiência ao enviar o conteúdo de outra pessoa, e caso alguém compre alguma coisa, nós ganhamos uma comissão.

Nesse período de realinhamento de objetivos, a gente teve que começar a tomar decisões importantes que guiariam tudo em nossas vidas.

Durante alguns meses, eu e o Chico focamos em desenvolver novas ideias para o Vá Mais Longe e continuamos fazendo esse trabalho como afiliados.

Com o tempo, começamos a pensar no conceito de criação de comunidade e como isso poderia ser aplicado para O NEGÓCIO. Por isso, passei quase 2 meses estudando o modelo de negócio de membership, aqueles em que você faz um pagamento mensal menor para ter acesso a alguma coisa.

A essa altura nós estávamos fazendo 2 a 4 hangouts gratuitos POR MÊS. Era extremamente cansativo, porque essas aulas são ao vivo e tomavam uma boa parte do nosso tempo.

O lado bom é que nós continuamos criando uma comunidade forte dando muito conteúdo bom. (Vários hangouts eram feitos com convidados especiais).

Daí veio a ideia de criar o Hangouts Premium, que seria uma base para um futuro Membership Site. Os alunos teriam acesso a todos os Hangouts gravados e aos feitos mais após o momento que comprassem o acesso ao HP.

Foi o que fizemos, batemos nossa meta inicial de abertura, mas usamos um modelo diferente com pagamento único e não o de pagamento mensal.

Optamos por não seguir com o modelo de pagamento mensal por causa da estrutura necessária pra construir alguma coisa relevante e de longo prazo. Foi também por esse motivo que decidimos pausar e descontinuar esse projeto.

Os alunos que entraram vão continuar com os benefícios do Hangouts Premium, mas não continuei com as vendas porque não estava feliz em não poder entregar o meu melhor e o melhor do VML pra quem viesse mais pra frente.

Nesse meio tempo, nós também decidimos investir em uma plataforma de blog colaborativo. Por isso, criamos o Blog #VML, onde qualquer pessoa poderia enviar um conteúdo para ser publicado caso passasse pela triagem.

Investimos tempo e dinheiro nessa plataforma, contratamos um programador e quando foi pro ar, as pessoas adoraram ter essa oportunidade.

Como qualquer ferramenta criada do zero, tivemos que encarar vários bugs do sistema e erros de programação. Era muito tempo perdido nesse vai e vem pra corrigir tudo.

E novamente, como a qualidade não atendia nossas expectativas, fomos deixando o Blog Colaborativo de lado.

Ele continuou no ar com os conteúdos postados das várias pessoas que enviaram, mas mais sobre isso ao final desse artigo.

Nesse período a gente já tinha passado do meio do ano, já estava na hora de pensar no que ia ser feito no segundo semestre.

Então em agosto nós enviamos um e-mail pra toda nossa base de contatos do VML pra saber o que eles queriam e do que eles precisavam. (Sim, nós fazemos muito isso de falar com as pessoas.)

Essa pesquisa gerou quase 400 respostas LONGAS e fez a gente tirar do papel uma coisa que ja era pensada isoladamente por mim e pelo Chico e a gente nem sabia disso.

Enquanto isso, eu investi ainda mais em conhecimento. Se ao longo do ano eu comprei alguns cursos aqui e ali, comprei muitos livros e fui a vários eventos, decidi fazer uma coisa que representou MUITO pra mim: Entrei para um treinamento do Ramit Sethi, um dos caras que mais admiro e que mais tem influência sobre mim.

E chegamos ao início de setembro!

Lições aprendidas:

13ª lição: Comemore suas vitórias e conquistas. Mesmo que elas sejam pequenas! Me dei ao direito de fazer algumas coisas que eu gostava, sair pra comer em bons restaurantes e viajar.

Comece a dar valor para o que você faz e você vai ter muito mais prazer.

14ª lição: Descansar é necessário. E foi por isso que eu decidi tirar micro-férias ao longo do ano. Meu corpo e meu cérebro não são uma máquina, e eles precisam de descanso e momentos mais relaxados pra funcionar melhor.

15ª lição: As vezes as coisas saem do rumo e acontecem de uma forma inesperada. A gente não tinha planejado que o Vá Mais Longe fosse uma coisa tão grande e ficasse maior que o Não Tenho Ideia e o Olhe Fora da Caixa, mas aconteceu. E quando coisas inesperadas acontecem, a gente tem que se adaptar e reajustar.

16ª lição: A decisão de descontinuar o Blog Coletivo foi importante pra a gente aprender a não reinventar a roda se é preciso muito tempo e dinheiro que poderiam ser usados de forma melhor.

Talvez se a gente tivesse decidido continuar com o Blog e corrigir o que não funcionava, nada mais teria sido feito no ano.

17ª lição: Apesar da atração pelo ótimo modelo de negócios da recorrência e de eu ter estudado sobre o assunto por um tempo razoável, foi preciso ter muita coragem e entender as nossas limitações como empresa e pessoas pra deixar de lado o que poderia (ou não) ser feito.

Isso é importante na minha filosofia de não querer dar passos muito grandes e se perder no caminho. Consistência é o que importa.

18ª lição: O motivo pra tomar a decisão de descontinuar o Blog Colaborativo foi basicamente o mesmo de descontinuar (pelo menos por enquanto) o Hangouts Premium. Não era o que eu queria que fosse, eu queria que fosse o melhor do que eu pudesse fazer, por mais que o valor gerado ja fosse enorme.

De novo, muita coragem, autoconhecimento e foco no que eu quero pra mim como pessoa e empresa.

19ª lição: Ouvir as pessoas que te seguem, a sua audiência, é uma das principais coisas que você deve fazer. Isso guiou o Vá Mais Longe no começo e faz isso até hoje, seja com pesquisas, e-mails, o grupo ou até pessoalmente.

Ouça essas pessoas, entenda o que eles querem e precisam. E faça isso.

20ª lição: Eu não investi quase R$10.000 em um único treinamento de bobeira. Eu invisto MUITO na minha educação e na minha formação como pessoa e empreendedor. E não faço isso por um diploma, mas sim pelo resultado que posso gerar pra mim e pra quem me acompanha.

E você deveria fazer o mesmo. Um papel dizendo que você terminou um curso XYZ não diz nada. O que importa é o que você faz com o que aprendeu com isso.

O Programa Vá Mais Longe…

O Programa Vá Mais Longe

A nossa pesquisa indicou uma necessidade real que as pessoas tem: insatisfação com o emprego e o desejo de ter o controle da própria vida e ter um negócio próprio.

Curiosamente, eu já vinha pensando em algo nessa linha de transição do emprego para o empreendedorismo, porque foi o que eu fiz.

E o Chico também pensava de lá, e eu não sabia.

Em uma das nossas reuniões chegamos nesse assunto e aí os dois falaram que pensavam em alguma coisa assim. Por que não se juntar e fazer um projeto maior ainda?

Nesse meio tempo, recebemos prêmios de afiliado dos nossos parceiros, que promovemos ao longo do ano e fizemos acontecer mais um VMLonBar, em São Paulo.

Daí surgiu o Programa Vá Mais Longe: um treinamento pra ajudar as pessoas que querem empreender, mas ainda tem um emprego e não sabem como começar.

O PVML (como a gente chama aqui) foca muito na transição segura, sem jogar tudo pro alto e comprometer o salário que paga suas contas.

A gente reuniu tudo que fizemos e aprendemos pra mostrar a outras pessoas como elas podem seguir esse caminho: controle seu mindset e suas emoções, seja mais produtivo, faça um planejamento financeiro, organize e valide suas ideias, crie e venda.

Depois que você tiver a segurança no seu novo negócio pra poder sair do emprego, pronto, pode sair.

Começamos a planejar o que seria esse novo curso, o que ele teria e o que precisava ser feito pra ele nascer. Escrevemos as aulas, preparamos vídeos novos e estipulamos uma meta de 50 a 100 alunos para a primeira turma.

Escolhemos esse número de alunos porque era um número que a gente poderia dar mais atenção e o controle das variáveis seria maior. A turma 1 serviria como laboratório para o que viria pela frente…

E foi uma ótima decisão ouvir o que as pessoas queriam e precisavam, como você pode ver pelo que eles falam…:

Abrimos as inscrições do PVML, batemos a nossa meta e incluímos mais um projeto no calendário: Anualmente as turmas do Programa Vá Mais Longe terão um evento presencial, ao vivo.

Isso tudo aconteceu até novembro!

Lições aprendidas:

21ª lição: Nunca descarte nenhuma ideia ou possibilidade! Se eu fosse esse tipo de pessoa, o PVML nunca teria nascido, porque a primeira vez que isso veio à cabeça foi logo depois do Evento VML.

Eu gosto de guardar todas as ideias. Por mais que elas pareçam malucas demais pra dar certo.

22ª lição: Eu não desvalorizei tudo que eu aprendi e fiz ao longo de anos mudando o rumo da minha vida. Quando eu comecei, na época da faculdade de Educação Física, eu não sabia nada. De lá pra cá fiz muita coisa, errei muito, aprendi mais ainda e acertei muito. E continuo aprendendo…

Nunca desvalorize o que você fez, o que você faz, o que você é bom em fazer ou o que você superou.

23ª lição: Em um primeiro lançamento de algum projeto novo, lance em menor escala, pra que você possa corrigir os erros rapidamente e ter mais controle sobre as variáveis (que são grandes).

Poucos alunos na primeira turma do PVML pra mim significava mais atenção e mais facilidade de perceber o que mais funciona e o que menos funciona.

Mudanças chegando…

Mudanças Chegando

Depois do lançamento da primeira turma do Programa Vá Mais Longe, nós focamos muito na gravação e entrega das aulas, nos encontros online em hangouts de alunos e em entregar o que tem de MELHOR pra eles.

Essa é a parte mais trabalhosa de projetos como esse, porque se você quer entregar o melhor, é necessário alocar muito tempo na preparação/gravação/entrega do material.

E tem também que engajar os alunos e etc… Mas vale a pena!

Foi aqui que eu tomei a decisão de dar início a um sistema de Clientes Eternos do VML. Isso significa que quem for meu cliente/aluno, vai ter benefícios fora do comum pra sempre.

E foi aqui que eu e o Chico começamos a mudar diversas coisas no Vá Mais Longe também.

Como o Vá Mais Longe foi criado pra servir de suporte para os nossos outros projetos e nosso nome, isso saiu um pouco do controle quando tomou uma proporção bem maior, né? Era inesperado, mas bem-vindo.

O que a gente acabou deixando de lado ao longo do ano era o nosso objetivo com esses outros projetos e o motivo de eles terem sido criados!

O Chico retomou esse pensamento e me ajudou a pensar nisso também, e por causa disso, nós decidimos que daqui pra frente, o Vá Mais Longe não seria mais uma sociedade. O Chico queria voltar a focar no Olhe Fora da Caixa e transformar esse projeto no que ele sempre quis. ESSE era o foco dele e é o maior objetivo que ele tinha/tem.

E eu estava com a decisão na mão: O que fazer com o Vá Mais Longe?

Decidi que o meu objetivo com o Não Tenho Ideia era o MESMO que eu tinha com o Vá Mais Longe, então eu resolvi absorver o NTI e colocar tudo em um lugar só dentro do VML.

A gente iria seguir com o Programa Vá Mais Longe e com a criação de novas turmas em parceria, mas o Vá Mais Longe daqui pra frente fica 100% sob meu comando.

Essa decisão foi muito difícil e impactante… Foram dias e dias pensando nisso e sinceramente, foi inesperado. Contanto que eu já tinha redesenhado a logo nova do Não Tenho Ideia com o Camilo Coutinho e estava preparando um design novo pro site lá com ele.

Pausei o segundo projeto pra tomar essa decisão.

E foi o certo a fazer.

A essa altura, já chegamos em janeiro de 2016!

Lições aprendidas:

24ª lição: Se você criar alguma coisa, busque o melhor. Entregue o que você tem de melhor!

Isso não significa entregar as coisas mais complexas, mas o que VOCÊ tem de melhor a oferecer. Se dedique a isso. O resultado dos seus clientes e alunos significa o seu resultado.

25ª lição: Esse negócio de ter clientes eternos é parte do meu objetivo de ter um negócio de longo prazo. E quem é seu cliente de alguma forma é uma pessoa que ACREDITA em você.

Por que não tornar essas pessoas mais especiais ainda? Por isso que sempre que quando alguém entra nesse grupo de pessoas, sempre vai ter a minha atenção especial.

Isso sem falar na parte das métricas, que já foi comprovado que quem já pagou por alguma coisa sua tem mais chances de fazer isso de novo.

26ª lição: A decisão que nós tomamos de nos separar foi uma prova de foco e coragem. Em alguns momentos, você vai ter que tomar decisões mais duras como essa.

Ficaria difícil manter dois projetos e evoluir bem. Foco no objetivo e foco no que a gente quer pra nossa vida.

Quando o Chico levantou essa questão eu fiquei com alguns medos, mas deu tudo certo e estamos mais parceiros do que nunca.

27ª lição: Escolher um sócio é uma das coisas mais difíceis que tem. Escolher certo, mais ainda.

A nossa sociedade no Vá Mais Longe foi uma ótima parceria, a gente se complementou bastante e fizemos valer de todos os benefícios de ter um sócio.

A prova de que a escolha foi acertada no começo é de que mesmo com a sociedade encerrada, nós vamos continuar trabalhando juntos em alguns projetos de lançamento como o Programa Vá Mais Longe.

Isso sem falar que nós sempre jogamos limpo um com o outro e a comunicação nunca foi um problema. O que ajudou até na hora de encerrar a sociedade.

Eu poderia facilmente tornar as coisas difíceis pra essa mudança, assim como o Chico poderia tornar as coisas mais complicadas pra mim nesse ciclo de mudança. Mas foi TUDO muito tranquilo, inclusive ele me ajudou a tomar a decisão de colocar o Não Tenho Ideia dentro do Vá Mais Longe.

Um novo ciclo!

Um novo ciclo

Agora com as mudanças estabelecidas no Vá Mais Longe e também na minha vida, muita coisa ficou diferente.

Meu foco é exclusivo ao VML e não preciso mais me dividir entre diversos projetos que basicamente abordam o mesmo assunto e focam no mesmo perfil de pessoas.

O Blog Colaborativo entrou definitivamente pra história e pro meu arquivo de ideias a serem implementadas, o Hangouts Premium idem.

Contratei uma (ótima) programadora pra refazer o site do Vá Mais Longe, que agora tem um estilo diferente, tem um blog e estou expondo mais a minha marca pessoal.

Iniciei o ano alinhando TUDO que vai ser feito em 2016, ao contrário do ano passado, que foi tudo definido meio que em cima da hora.

Estou começando a contratar pessoas pra trabalharem comigo e me ajudarem a crescer mais ainda esse negócio.

Escrevi um novo eBook com o Chico e liberamos de graça na internet (mesmo quando ele deveria ser pago! ahha).

E nesse primeiro semestre vamos lançar uma segunda turma do Programa Vá Mais Longe, agora que os alunos da primeira turma já receberam todo o material prometido e estão tendo resultados ótimos!

Saiu do papel também o VMLCast, o podcast do Vá Mais Longe.

Fazer um podcast era uma vontade antiga! Agora tá no ar e eu quero trazer vários convidados e também fazer episódios solo pra contar histórias, aprendizados e estratégias úteis pra você aplicar na sua vida e nas suas ideias.

Isso sem falar que podcast é bom demais! Dá pra ouvir no carro, na academia, antes de dormir, enquanto come alguma coisa…

Daqui pra frente o Vá Mais Longe tem a missão de crescer ao menos 3x por ano e atingir mais e mais pessoas que querem ter o controle da própria vida e tirar as ideias e sonhos do papel.

Seja com artigos no blog, com vídeos no Youtube, com as famosas aulas online, nos áudios do VMLCast ou com coisas mais premium e exclusivas como o Programa Vá Mais Longe.

Lições aprendidas até agora:

28ª lição: Foco! Ter foco é importantíssimo… Me ajuda a fazer mais do que funciona, enxergar o que não funciona dentre isso e crescer.

Esse é o motivo de você não me ver por aí fazendo Snapchats, Periscopes, trocentas contas de Instagram, Twitter e etc…

Estou focando nos conteúdos em texto, vídeo e áudio e no desenvolvimento do PVML. Depois que isso estiver estabelecido, adiciono outros ingredientes.

A verdade é que por mais que falem por aí que você precisa estar em todas as redes sociais possíveis e que você tem que ter o site perfeito, a melhor estrutura de SEO e etc… Você não precisa. E nem eu.

29ª lição: Ao invés de reinventar a roda e perder tempo fazendo o que eu não gosto e não sei, terceirizei várias coisas pra agilizar os processos e ficar livre pra fazer o que eu sei e o que eu gosto.

Isso sem falar que fica mais profissional quando você contrata um especialista de verdade (no caso da programadora!)

O bom de delegar e terceirizar é que você pode focar nas suas habilidades e parar de perder tempo fazendo coisas que podem ser resolvidas rapidamente. Isso é custo de oportunidade.

30ª lição: Demorei pra criar o VMLCast… Na verdade, demorei pra criar o meu podcast. Sempre aparecia alguma coisa, sempre enrolava.

Por um lado foi bom, porque se eu tivesse feito antes, seria no nome do Não Tenho Ideia e aí eu teria um trabalho GIGANTE pra alterar e trazer tudo para o VMLCast.

Por outro, eu demorei. Acontece. Bom pra aprender. 🙂

31ª lição: Aprendi com a demora da criação do podcast e já comecei o ano desenhando novos projetos, escrevendo um novo eBook e reformulando o que eu já tinha, o “Com Quem Você Anda?“.

32ª lição: Pra crescer, é preciso investir em você.

E foi por isso que eu me juntei a um grupo de mentoria e estou investindo o TRIPLO do que investi no meu negócio ano passado. Tenho certeza que isso vai trazer um retorno muito grande pra mim e para todos os meus negócios.

33ª lição: Muito foco em fazer do Programa Vá Mais Longe um treinamento à prova de balas e ser cada vez melhor a cada edição! Por que isso?

De novo: O resultado dos meus alunos é a única coisa que importa. Isso é o meu resultado.

O que vem por aí no Vá Mais Longe?

O que vem por aí no Vá Mais Longe?

Agora que você já sabe tudo que eu fiz em 1 ano, o que mais eu posso fazer nesse próximo ano?

A primeira coisa é que estou focado APENAS no Vá Mais Longe. Então como sempre, vai ter artigo, vídeo e podcast rolando aqui direto.

Além disso, o Programa Vá Mais Longe vai ser melhor a cada edição. Então se você quer começar seu negócio online e fazer essa transição segura do emprego para o empreendedorismo, garante seu lugar lá na lista de espera (e baixa o eBook!).

Vai ter também uma nova edição do Evento Vá Mais Longe. Não posso divulgar datas ainda, mas vai ser no segundo semestre de 2016 e vai ser melhor ainda do que foi o primeiro!

Estou trabalhando em mais dois projetos pra acoplar aqui dentro do Vá Mais Longe: um sobre marketing de afiliados e outro sobre networking e conexão com pessoas importantes.

Tem o Grupo do Facebook do Vá Mais Longe também! Esse grupo vai continuar e vai ficar cada vez mais forte. (Se você ainda não está lá, entra logoooo!)

Por fim, uma das novidades é o “Pergunte!“. Eu criei esse novo canal de comunicação pra dar voz a você.

Funciona assim: Você pode mandar sua pergunta ou dúvida pra mim em áudio e eu vou poder usar sua dúvida pra gravar um vídeo ou um podcast!

Então clica aqui e manda tua maior dúvida pra mim!

É isso… Tem muita coisa rolando e muita coisa pra rolar ainda, mas sem dúvida você vai gostar.

Um desafio pra você:

Me conta aí agora qual foi a MELHOR lição que você aprendeu entre essas 33 lições que eu citei e me diz o que você vai fazer pra implementar essa lição na sua vida e nos seus negócios.

Me conta nos comentários aqui embaixo, beleza?

Obrigado!
-Leo Alvarenga.

Se você curtiu isso, compartilha aí! =)

  • Gislene Lopes Mattos

    Emocionei! Leo aprendi a acreditar em mim quando conheci o Vá Mais Longe e claro você e o Chico. Obrigada por compartilhar estas lições pois descobri que consigo…Já tenho um mindset para começar meu projeto. Aguarde-me abração da Gi!

    • Valeu, Gislene! 🙂

      Eu tenho certeza que se você se dedicar e for 1% melhor a cada dia, você vai conseguir atingir seus objetivos!

  • Fábio Escanfella

    “Uma pessoa esperta aprende com os erros dela. Uma pessoa sábia aprende com os erros dos outros”

    Vi essa frase esses dias e veio a calhar muito com esse podcast. Muito bom, Leo!!

    Eu já tive o ego inflado a ponto de achar que eu já sabia suficiente. Acontece que tive “fracassos” e percebi que ainda sei muito pouco e tenho que estar Sempre aprendendo coisas novas. Aprendi muito com os meus erros e estou aprendendo muito com os seus (e os acerto também, é claro).

    Show, valeu brother!!
    Abraço, continue com o ótimo trabalho 🙂

    • O ego e a falta de humildade é um dos maiores erros de quem empreende… A gente não tem que saber TUDO, mas tem que continuar aprendendo, o tempo todo. Com os acertos e com os erros.

      Vamos com tudo!

  • Olá, Leo!
    Tudo bem?

    Gostei bastante dos momentos em que precisou tomar decisões importantes. Acredito que sejam momentos que representam verdadeiros marcos em nossas vidas e projetos.

    Li todo o texto e gostaria de te parabenizar! Sua história é realmente “suada” e bastante inspiradora!
    Parabéns mesmo.

    Grande abraço!

    • Obrigado, Matheus!

      Eu passei a valorizar muito a minha história e tirar grandes lições dela. Isso ajuda muito na hora de crescer!

  • Uau!! Obrigada por compartilhar tudo isso, Leo. Me sinto mais motivada ainda a seguir com meu empreendimento e ter coragem para fazer e dar o melhor melhor afim de ajudar as pessoas!!

    • Eu que agradeço por dedicar seu tempo a seu crescimento, Jessica.

      Dessa forma eu posso te ajudar! 😀

      Vamos com tudo!